Saneamento é desenvolvimento humano, econômico e social

O saneamento é um dos pilares fundamentais do desenvolvimento humano. Nenhuma cidade na história da humanidade se desenvolveu sem solucionar a questão do abastecimento de água e da retirada de dejetos.

Roma, a cidade que deu origem a um dos mais poderosos impérios de todos os tempos, desenvolveu-se graças, entre outras coisas, ao gênio de sua engenharia que encontrou soluções eficazes para a preservação da vida em grande escala, estabelecendo condições para o desenvolvimento de sua sociedade.

Os romanos construíram vários aquedutos para levar água de fontes muitas vezes distantes de suas cidades e vilas, fornecendo-a a banhos públicos, latrinas, chafarizes e residências privadas. Os aquedutos também forneciam água para operações de mineração, trituração, agricultura e jardinagem.

Os aquedutos moviam a água apenas com a gravidade, ao longo de uma ligeira inclinação para baixo dentro de canais de pedra, tijolo ou concreto. A maioria dos canais eram enterrados sob a terra e seguiam os contornos do terreno. Onde existiam vales ou planícies , os canais passavam por pontes ou o seu conteúdo era alimentado por canos de alta pressão feitos de chumbo ou pedra e desviados transversalmente.

A maioria dos sistemas de aquedutos incluíam tanques de sedimentação, o que ajudava a reduzir quaisquer detritos na água. As comportas e aquae castella (tanques de distribuição) regulavam a oferta para determinados destinos. O escoamento de água de aquedutos também lavavam as fossas e o esgoto.

Para a retirada dos dejetos Roma construiu a CLOACA MÁXIMA, uma fantástica estrutura de esgoto para drenar as águas residuais e o lixo de sua imensa população para o rio Tibre, que atravessa a cidade, em direção ao mar Tirreno, a alguns quilômetros a Oeste.

Ainda que Tito Lívio a tenha descrito como escavada no subsolo da cidade, escrevendo, no entanto, muito depois da sua construção, outras fontes indicam (ideia reforçada por seu percurso ) que o sistema original se tratasse de um canal a céu aberto que recolhia as águas dos cursos naturais que desciam das colinas, drenando também a planície do Fórum Romano. Esse canal, por vezes escavado abaixo do nível do solo, seria progressivamente coberto devido às exigências do espaço do centro citadino.

Todas as grandes obras do império romano eram planejadas e executadas pelo poder público.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *