APS x BNDES: na luta contra a privatização da Cedae

ATUALIZAÇÃO: MPF intima BNDES a responder em 48h os questionamentos da APS

 

A APS, Associação dos Profissionais em Saneamento, protocolou junto ao MPF – Ministério Público Federal – uma solicitação para que o órgão intervenha no Pregão do BNDES que visa a privatização da Cedae e atue no sentido de cancelar o processo.
A APS aponta em seu ofício uma série de irregularidades, ilegalidades e imperfeições no processo, além de erros gravíssimos, que o tornam nulo de Direito, inclusive a proposição insana de que caberia ao vencedor do pregão fazer modificações nas leis do país para tornar o setor de saneamento mais atrativo para o mercado.
A APS encaminhou também um pedido oficial de impugnação do Pregão ao próprio BNDES, questionando vários itens do edital com base nas mesmas ilegalidades, irregularidades e imperfeições encaminhadas ao MPF.
Além disso, a APS entrou com uma ação na Justiça Federal solicitando o imediato cancelamento do Pregão do BNDES com fundamento nos mesmos princípios estabelecidos tanto na solicitação dirigida ao MPF, quanto a impugnação administrativa encaminhada ao banco de fomento.
Em sua ação junto ao MPF a APS faz um histórico do investimento de recursos públicos no saneamento do Rio de Janeiro, desde o poço do morro Cara de Cão, aberto por Estacio de Sá, passando pela construção de chafarizes, aquedutos e reservatórios construídos para abastecer o Rio de Janeiro, pelos sistemas de abastecimentos criados através dos anos – Acari, Ribeirão das Lages, Guandu etc – até a atual obra do Guandu II, intervenções realizadas e financiadas com dinheiro público, que seriam irresponsavelmente entregues ao mercado, em caso de privatização.

MPF intima BNDES a responder em 48 hs questionamentos da APS
Vicente Portella, presidente da APS, no momento do protocolo no MPF
Vicente Portella, presidente da APS, no momento do protocolo no MPF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *